ELABORAÇÃO E ANÁLISE SENSORIAL DE PATÊ DE FRANGO COM ÔMEGA-3 E ANTIOXIDANTES NATURAIS DO BAGAÇO DE UVA

  • Karina Suseth Rodrigues Da Silva Cechin FAG
  • Daniela Miotto Bernardi
Palavras-chave: Subproduto, Patê, Funcional, Produção

Resumo

O bagaço de uva é um subproduto da indústria vinícola, é o resíduo resultante da prensagem da fruta, e que ultimamente vem ganhando grande interesse com o objetivo de pesquisa pela sua capacidade antioxidante. O óleo de canola é o óleo proveniente de uma espécie de oleaginosa que tem reconhecimento entre os óleos por ser rica em vitamina E e ômega 3. O objetivo desse estudo foi a análise do efeito antioxidante do bagaço de uva em patês de frango elaborados com adição de ômega-3, assim como a verificação da aceitação do produto por meio de uma análise sensorial. O estudo foi baseado em artigos relacionados ao bagaço de uva e óleo de canola e o efeito benéfico na adição dos mesmos em produtos alimentares. Foram realizadas quatro formulações de patês de frango e posteriormente feita análise sensorial de pequenas amostras. Os materiais utilizados para cada 100g de produto foram aproximadamente: 33% de filé “sassami” de frango, 17% de cebola, 12% de tomate, 5% de bagaço de uva, 26% de óleo de canola, 25% de óleo de milho, 8% de leite. Também foram utilizados os seguintes temperos: 1% de salsinha e 0,30% de sal. Na análise sensorial participaram 120 pessoas que avaliaram atributos do produto, sendo eles: aparência, aroma, textura, sabor e intenção de compra, tanto de um patê existente no mercado como do patê desenvolvido para este trabalho. Em conclusão as amostras B e BC, que possuíam bagaço de uva na sua formulação não foram bem aceitas pelos provadores, no entanto as amostras C, P e Comercial, que não tinham bagaço de uva, foram aprovadas. Também foi observado que a inclusão do óleo de canola não interferiu na nota, portanto, foi possível produzir um patê de frango com maior teor de α-linolênico sem prejuízo sensorial e alta intenção de compra.

Referências

ABE, L. T. et al. Compostos fenólicos e capacidade antioxidante de cultivares de uvas Vitis labrusca L. e Vitis vinifera L. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 27, n. 2, p. 394–400, 2007.

ABREU, J. P. de. Efeitos da adição de farinha de casca de uva orgânica (Vitis Labrusca) sobre as características físicas, químicas e sensoriais no desenvolvimento de biscoito tipo cookie com alegação funcional. v. 1, p. 88, 2018.

ANGELOTTI-MENDONÇA, J. et al. Canola. n. August 2018, 2016.

ANTUNES MARTIN, C. et al. Omega-3 and omega-6 polyunsaturated fatty acids: importance and occurrence in foods Makoto MATSHUSHITA 1. Rev. Nutr, v. 19, n. 6, p. 761–770, 2006.

ARVANITOYANNIS, I. S.; LADAS, D.; MAVROMATIS, A. Potential uses and applications of treated wine waste: A review. International Journal of Food Science and Technology. v. 41, n. 5, p. 475–487, 2006.

BOROSKI, M. et al. Antioxidantes- Princípios e métodos analíticos. Editora Appris Ltda. 1ª Edição, 2015.

CAMPOS, L. M. A. S. de. Obtenção de Extratos de Bagaço de uva Cabernet Sauvingnon (Vitis vinifera): Parâmetros de Processo e Modelagem Matemática. p. 141, 2005.

COSTA, J.E.; BELCHIOR, A.P. Laboração e utilização dos produtos secundários da vinificação. Relatório nacional, Lisboa, 1972.

DAMIANI, C. et al. Doces de corte formulados com casca de manga. Pesquisa Agropecuaria Tropical, v. 41, n. 3, p. 360–369, 2011.

DUTCOSKI, S. D. Análise Sensorial de alimentos. 4. ed. Curitiba - PR: Editora Universitária Champagnant, 2013.

FURTADO, A. A. L.; RESENDE, A. L. da S. S.; FREITAS, D. de G. C. Aceitabilidade do Patê de Tilápia. Comunicado Técnico da Embrapa, p. 4, 2010.

LEISTENSCHNEIDER, D. Einfluss von Transportporensytemen auf die elektrochemische Energiespeicherfähigkeit nanostrukturierter Kohlenstoffmaterialien. v. 22, n. 1, p. 4–6, 2015.

MACFIE, H. J. et al. Designs to balance the effect of order of presentation and first‐order carry‐over effects in hall tests. Journal of sensory studies, v. 4, n. 2, p. 129–148, 1989.

MALACRIDA, C. R. Compostos fenólicos totais e antocianinas em suco de uva 1. v. 25, n. 4, p. 659–664, 2005.

NEPA - UNICAMP. Tabela brasileira de composição de alimentos. NEPA - Unicamp, p. 161, 2011. Disponível em: http://www.unicamp.br/nepa/taco/. Acesso em 20 mai. 2019.

OLIVEIRA, R. . et al. Composição centesimal de farinha de uva elaborada com bagaço da indústria vitivinícola. v. 1, p. 2–7, 2016.

RAMOS, S.; RAMOS, M. E. M. Dieta e Risco Cardiovascular: ômega 3, óleo de oliva, oleaginosas,... O que é fato? Revista da Sociedade de Cardiologia do Rio Grande do Sul, v. 6, p. 10–12, 2005.

RAMOS, M.; STEIN, L. M. Desenvolvimento do comportamento alimentar infantil Development of children’s eating behavior. Jornal de Pediatria, v. 76, p. 229–237, 2000.

RENZ, S. V. Oxidação e Antioxidantes. Estresse Oxidativo e Antioxidante. p. 15–19, 2002.

ROCKENBACH, I. I. Compostos fenólicos, ácidos graxos e capacidade antioxidante do bagaço da vinificação de uvas tintas (Vitis vinifera L. e Vitis labrusca L.). p. 113, 2008.

SANTOS, L. E. S.; BORTOLOZO, E. A. F. Q. Potenciais benefícios no metabolismo lipídico omega 3 intake : considerations on the potential benefits in lipid metabolism. v. 14, n. 2, p. 161–170, 2008.

ST. ANGELO, A. J. et al. Lipid Oxidation in Foods - an Overview. [S.l: s.n.], 1996.

USDA. Nutritive Value of Foods Nutritive Value of Foods. Usda, n. 72, p. 103, 2016

Publicado
2020-03-31
Como Citar
Rodrigues Da Silva Cechin, K., & Bernardi, D. (2020). ELABORAÇÃO E ANÁLISE SENSORIAL DE PATÊ DE FRANGO COM ÔMEGA-3 E ANTIOXIDANTES NATURAIS DO BAGAÇO DE UVA. FAG JOURNAL OF HEALTH (FJH), 2(1), 93-102. https://doi.org/10.35984/fjh.v2i1.139
Seção
Artigos Originais