AÇÃO VOLUNTÁRIA COMO INSTRUMENTO DE APRENDIZADO E HUMANIZAÇÃO NA FORMAÇÃO MÉDICA

Palavras-chave: Empatia, Graduação, Voluntariado, Medicina, Humanização

Resumo

Propõe-se utilizar a ação social voluntária, no âmbito acadêmico, como ferramenta complementar ao processo de formação do médico. O objetivo foi refletir, a partir dos dados obtidos, sobre a praticabilidade da ação voluntária como ferramenta capaz de contribuir no processo pedagógico de construção de profissionais mais empáticos e sensíveis ao ser humano. Trata-se de um estudo exploratório, de caráter indutivo, com coleta de dados, através de questionário semiestruturado, aplicado aos discentes e docentes do curso de medicina de uma instituição de ensino superior, que participaram de uma ação voluntária em Setembro de 2018. Participaram da atividade 28 voluntários, destes, 21 responderam aos documentos.  Os dados foram tabulados e armazenados em planilha do Microsoft Excel onde foram tratados estatisticamente para as questões de escala Likert, e para as questões abertas, realizou-se uma análise qualitativa das respostas. Os dados obtidos revelaram que o voluntariado trabalha valores morais e sociais e, se realizado no âmbito acadêmico, pode agregar qualidades ao aluno que irão fazer diferença na sua relação com o paciente. A prática pedagógica no contexto da ação voluntária promove a integração dos conhecimentos e trabalha muitas das habilidades e competências exigidas do médico e propostas nas Diretrizes Nacionais Curriculares.

Referências

ALMEIDA, R. M. DE S. S. A. O FUTURO MÉDICO OU O MÉDICO DO FUTURO? - REFLEXÕES SOBRE FORMAÇÃO, ENSINO E PROFISSÃO. Revista Thêma et Scientia, v. 1, n. 1, p. 27–29, 2011.

BENEDETTO, M. A. C. DE et al. Educando as emoções para uma atuação ética: construindo o profissionalismo médico. Revista Brasileira de Medicina, v. 3, n. 1, p. 15–24, 2014.

BRASIL; COREME/COPESE. EDITAL n. 1/2018 - PROCESSO SELETIVO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2019 - Imprensa Nacional, 2018. Disponível em: <http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/43101638/do3-2018-10-01-edital-n-1-2018-coreme-copese-processo-seletivo-programa-de-residencia-medica-2019-43101412>. Acesso em: 22 set. 2018.

BRASIL; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina, 2014.

BRASIL; SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ. Altruísmo. Disponível em: <http://www.filosofia.seed.pr.gov.br/modules/galeria/detalhe.php?foto=327&evento=2>. Acesso em: 17 nov. 2018.

COSTA, B. E. P. et al. Reflexões sobre a importância do currículo informal do estudante de medicina. Scientia Medica, v. 22, n. 3, p. 162–168, 2012.

D’AVILA, R. L. A ética médica e a bioética como requisitos do ser moral: ensinamentos habilidades humanitárias em medicina. Revista Bioética, v. 18, n. 2, p. 311–327, 2010.

DUGUID, F.; MÜNDEL, K.; SCHUGURENSKY, D. Volunteer work, informal learning and social action. Rotterdam, Boston, Taipei: Sense, 2013.

ESQUERDA, M.; YUGUERO, O. La empatía médica, ¿nace o se hace? Evolución de la empatía en estudiantes de medicina. Atención Primaria, v. 48, n. 1, p. 8–14, 2016. DOI: 10.1016/j.aprim.2014.12.012.

FERREIRA, A. et al. Método clínico centrado na pessoa e sua utilização nas habilidades de comunicação. Periódicos Univag, v. 2, p. 3–5, 2018.

MAGALHÃES, O. Voluntariado passa a ser “cadeira” na Faculdade de Medicina « Notícias UP. Disponível em: <https://noticias.up.pt/voluntariado-passa-a-ser-cadeira-na-faculdade-de-medicina/>. Acesso em: 8 out. 2018.

MARQUES, V. L. [UNIFESP]. Voluntariado: motivos e repercussões na vida pessoal, social e acadêmica dos alunos de graduação em medicina, voluntários em programas na área de saúde. 2006.

MEDEIROS, N. S. et al. Avaliação do desenvolvimento de competências afetivas e empáticas do futuro médico. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 37, n. 4, p. 515–525, 2014. https://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022013000400007.

NEUMANN, M. et al. Empathy Decline and Its Reasons: A Systematic Review of Studies With Medical Students and Residents. Academic Medicine, v. 86, n. 8, p. 996–1009, ago. 2011. DOI: 10.1097/ACM.0b013e318221e615.

RAMOS-CERQUEIRA, A. T. DE A.; LIMA, M. C. P. A formação da identidade do médico: implicações para o ensino de graduação em Medicina. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 6, n. 11, p. 107–116, 2009. DOI: 10.1590/S1414-32832002000200008.

SAPIRO, A.; MATTIELLO, R. Voluntariado: benefício a quem presta e a quem recebe. Scientia medica, v. 26, n. 4, p. 14, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-6108.2016.4.25631.

SEEGMÜLLER, E. F.; GIELOW, R. Formação Médica : uma proposta diante das demandas da sociedade . Experiência da Pontifícia Universidade Católica do Paraná-PUCPR. p. 9–22, 2008.

WALDOW, V. R.; BORGES, R. F. Cuidar e humanizar: relações e significados. ACTA Paulista de Enfermagem, v. 24, n. 3, p. 414–418, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002011000300017.

WINDSOR UNIVERSITY SCHOOL OF MEDICINE. How Volunteer Work Helps You Secure Admission In A Medical School. Disponível em: <https://www.windsor.edu/b/admission-medical-school-volunteer-work/>. Acesso em: 29 jul. 2018.

Publicado
2020-03-31
Como Citar
Nogari, P., & Franco, C. (2020). AÇÃO VOLUNTÁRIA COMO INSTRUMENTO DE APRENDIZADO E HUMANIZAÇÃO NA FORMAÇÃO MÉDICA. FAG JOURNAL OF HEALTH (FJH), 2(1), 20-31. https://doi.org/10.35984/fjh.v2i1.156
Seção
Artigos Originais