ESTIMATIVA DO TEMPO NECESSÁRIO PARA ALCANÇAR O PERÍODO PRECONIZADO DO ALEITAMENTO MATERNO

Palavras-chave: Aleitamento materno, Lactente, Desmame precoce

Resumo

O objetivo do trabalho foi buscar na literatura tempo de aleitamento materno (AM) e de aleitamento materno exclusivo (AME) para estimar o tempo necessário para alcançar o período preconizado. Para alcançar o objetivo do trabalho, foram realizadas revisões bibliográficas para obter dados do tempo AM e de AME. Os dados obtidos foram submetidos a análise de regressão, e, avaliados quanto ao grau de significância por meio do software Sigmaplot 9.0. Foram encontrados na literatura sete anos (1975, 1982, 1989, 1996, 1999, 2006 e 2013) com valores da mediana do AM. Para o AME foram encontrados na literatura somente quatro anos (1999, 2000, 2008 e 2013) com valores de mediana. A estimativa encontrada é que a mediana do AM se classifica em 2019 como bom (20 a 22 meses), e que somente em 2022 a mediana chegará em 24 meses, o que classificaria como muito bom (>23 meses) e preconizado pelo ministério da saúde. A mediana do AME é classificada em 2019 como ruim (3,6 a 4,5 meses), e que somente em 2041 a mediana chegará em seis meses conforme o preconizado pelo ministério da saúde, o que classificaria como muito bom (>5,5 meses).

Biografia do Autor

Gheisa Helen Signolfi-Lopes, Unimed

Enfermeira, Pós graduada em Aleitamento Materno pela UNIFIL, pós graduada em saúde coletiva e da família pela UEL, é Enfermeira da linha de cuidado materno infantil da Unimed, Londrina – Paraná, Brasil. gheisa.lopes@unimedlondrina.com.br  https://orcid.org/0000-0001-7740-4052

Referências

BARROS, K.M.; BRITO, J.A.; VIANA, M.F.A.; VERAS, J.M.M.F. Desmame precoce: motivos, consequências e intervenções de enfermagem. Fortaleza: 61º Congresso Brasileiro de Enfermagem. 2009. Disponível em: http://www.abeneventos.com.br/anais_61cben/files/01232.pdf. Acesso em: 13 de maio de 2019.

BOCCOLINI, C. S.; BOCCOLINI, P. M. M.; MONTEIRO, F.R.; VENÃNCIO, S.I.; GUGLIANI, E.R.J. Tendência de indicadores do aleitamento materno no Brasil em três décadas. Revista de Saúde Pública, v. 45, n. 1, p. 69–78, 2017. http://dx.doi.org/10.11606/s1518-8787.2017051000029

BRASIL, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas, Secretaria de Atenção à Saúde, Ministério da Saúde. II Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno nas Capitais Brasileiras e Distrito Federal. Brasília, 2009. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pesquisa_prevalencia_aleitamento_materno.pdf (acessado em 13/Mai/2019).

DREWETT, R.F.; WOOLRIDGE, M.W.; JACKSON, D. A.; IMONG, S.M.; MANGKLABRUKS, A.; WONGSAWASDII, L.; et al. Relationships between nursing patterns, supplementary food intake and breast-milk intake in a rural Thai population. Early Hum Dev, V.20, P. 13-23, 1989. https://doi.org/10.1016/0378-3782(89)90069-8

GIUGLIANI, E.R.; ESPÍRITO SANTO, L.C.; OLIVEIRA, L.D.; AERTS, D. Intake of water, herbal teas and non-breast milks during the first month of life: associated factors and impact on breastfeeding duration. Early Hum Dev. v.84, p.305-10, 2008. http://dx.doi.org/10.1016/j.earlhumdev.2007.08.001

MORAES, J.T.; OLIVEIRA, V.A.C.; ALVIN, E.A.B.; CABRAL, A.A.; DIAS, J.B. A percepção da nutriz frente aos fatores que levam ao desmame precoce em uma unidade básica de saúde de Divinópolis/MG. R. Enferm. Cent. O. Min. v.4(1), p. 971-982, 2014. DOI: https://doi.org/10.19175/recom.v0i0.446

NEJAR, F.F.; SEGALL-CORRÊA, A.M.; RÉA, M.F.; VIANNA, R.P.T.; PANIGASSI, G. Padrões de aleitamento materno e adequação energética. Cad Saúde Pública, v.20, p.64-71, 2004.

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000100020

PEREIRA, N.N.B.; REINALDO, A.M.S. Não adesão ao aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida no brasil: uma revisão integrativa. Revista de APS. v. 21 n. 2, 2018.

https://doi.org/10.34019/1809-8363.2018.v21.16281

ROCCI, E.; FERNANDES, R. A. Q. Dificuldades no aleitamento materno e influência no desmame precoce. Rev. bras. enferm. v.67(1), p. 22-27, 2014. https://doi.org/10.5935/0034-7167.20140002

SALUSTIANO, L.P.Q.; DINIZ, A.L.D.; ABDALLAH, V.O.S; PINTO, R.M.C. Fatores associados à duração do aleitamento materno em crianças menores de seis meses. Ver. Bras.Ginecol. Obstet, v. 34, p. 28-33, 2017.https://doi.org/10.1590/S0100-72032012000100006

SANTO, L. C. E. Políticas públicas em aleitamento materno. In: Carvalho MR, Tavares LAM, editores. Amamentação: bases científicas. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; p. 277-285, 2010.

TORYIAMA, Á.T.M.; FUGIMORI, E.; PALOMBO, C.N.T.; DUARTE, L.S.; BORGES, A.L.V.; CHOFAKIAN, C.B.N. Aleitamento materno: o que mudou após uma década? Rev. Latino-Am. de Enfermagem. 25:E2941, 2017. https://doi.org/10.1590/1518-8345.1858.2941

Publicado
2020-06-14
Como Citar
Signolfi-Lopes, G., & dos Santos, E. (2020). ESTIMATIVA DO TEMPO NECESSÁRIO PARA ALCANÇAR O PERÍODO PRECONIZADO DO ALEITAMENTO MATERNO. FAG JOURNAL OF HEALTH (FJH), 2(2), 224-230. https://doi.org/10.35984/fjh.v2i2.200
Seção
Artigos Originais