PREVALÊNCIA DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO EM IDOSOS ASSISTIDOS POR UM PROGRAMA DE MEDICINA PREVENTIVA EM CASCAVEL/PR

  • Gilson Fernandes da Silva Secretaria Municipal de Saúde de Cascavel https://orcid.org/0000-0001-7853-6284
  • Jessica Carine Bald Hospital Universitário do Oeste do Paraná
  • Alysson Emanuel de Barros Bonetti Universidade Paranaense
  • Carla Passalongo da Silva Secretaria Municipal de Saúde de Cascavel - Paraná
Palavras-chave: Idoso, Infecção do Trato Urinário, Atenção Domiciliar

Resumo

A infecção do trato urinário (ITU) é a causa mais frequente de infecção bacteriana nos idosos, pode ser definida como a colonização microbiana na urina, com invasão de qualquer estrutura do trato urinário. Trata-se de uma pesquisa de campo, documental, epidemiológica, retrospectiva, descritiva e exploratória de cunho qualiquantitativa, a qual teve como objetivo identificar a prevalência de infecção urinária em idosos assistidos por um programa de medicina preventiva na Cidade de Cascavel- PR, verificar o perfil dos pacientes acometidos por infecções do trato urinário e identificar o gênero de maior prevalência de infecção do trato urinário, especificar a antibioticoterapia de maior utilização nas ITU em idosos. A coleta de dados ocorreu após liberação do Comitê de Ética da Universidade Paranaense, onde se utilizou de um instrumento, contendo 5 questões que foram respondidas através da análise de 38 prontuários dos pacientes idosos no ano de 2016, com ITU. Após a coleta de dados foi observada uma maior prevalência de ITU em idosos do sexo feminino. Sendo que dos 38 no total analisados 29(76%) eram mulheres, seguido de faixa etária >80 anos com cerca de 23 (60,52%) mulheres. Constatou-se um baixo nivel de escolaridade sendo 11(28,9%) mulheres, e 2(5,26%) homens com 1 º grau incompleto. Antibiótico de maior utilização foram Norfloxacino com 13(34,21%) e Ciprofloxacino com 8 (21,05%). Cerca de 7 (18,42%) pacientes tiveram um episódio recorrente de ITU. Esta pesquisa possibilitou aprimorar os conhecimentos relacionados às ITU, prevenção das infecções, promoção de saúde, melhora na qualidade de vida e na assistência prestada ao paciente.

Biografia do Autor

Gilson Fernandes da Silva, Secretaria Municipal de Saúde de Cascavel

Enfermeiro. Gerente da Escola de Saúde Pública Municipal de Cascavel/PR. Coordenador e Tutor do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família - Cascavel/PR. Mestre em Biociências e Saúde pela UNIOESTE.

Jessica Carine Bald, Hospital Universitário do Oeste do Paraná

Enfermeira. Egressa do curso de Enfermagem da Universidade Paranaense – UNIPAR/Cascavel. Residente do Programa de Residência em gerenciamento em Clinica Médica e Cirúrgica do Hospital Universitário do Oeste do Paraná.

Alysson Emanuel de Barros Bonetti, Universidade Paranaense

Enfermeiro. Responsável Técnico na Universidade Paranaense – UNIPAR/Cascavel

Carla Passalongo da Silva, Secretaria Municipal de Saúde de Cascavel - Paraná

Enfermeira. Secretaria Municipal de Saúde de Cascavel - Paraná

Referências

ARAUJO, Y. B.; CRUZ, I. C. F. Cuidados de enfermagem preventivos a infecção do trato urinário associada a cateter em clientes de alta complexidade: revisão sistematizada da literatura. Journal of specialized nursing care, v.8, n. 1, p.1-5, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Estatuto do idoso. – 1º ed., 2.ª reimpr. – Brasília: 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Resolução Nº 466, de 12 dezembro de 2012. Brasília: 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Caderno de atenção domiciliar. Brasília: 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Diretrizes para o cuidado das pessoas idosas no SUS. Brasília: 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Gabinete do Ministro. Portaria nº 825/GM/MS, de 25 de abril de 2016a. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e atualiza as equipes habilitadas. Diário Oficial da União, Brasília: 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Resolução Nº 510, de 07 de abril de 2016b.

CAMPOS, C. C. et al. Incidência de infecção do trato urinário relacionada ao cateterismo vesical de demora: um estudo de coorte. Revista Mineira Enfermagem. Belo Horizonte, v. 20, p. 973, 2016.

FARIA, L. F. C. Perfil microbiano das uroculturas de pacientes institucionalizados. (Dissertação de Pós Graduação). Faculdades de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, 2010.

FLORES-MIRELES, A. L. et al., Urinary tract infections: epidemiology, mechanisms of infection and treatment options. Nature Rev Microbiol. v.13 n. 5, p. 269-84, 2015. http://doi.org/10.1038/nrmicro3432.

FOXMAN, B. Urinary tract infection syndromes: occurrence, recurrence, bacteriology, risk factors, and disease burden. Infect Dis Clin North Am. n. 28 (1), p. 1-13, 2014. https://doi.org/10.1016/j.idc.2013.09.003.

GEIB, L. T. C; Determinantes sociais da saúde do idoso. Ciênc. saúde coletiva. 2012.

GEERLINGS, S. E. BEEREPOOT, M. A. J. PRINS, J. M. Prevention of recurrent urinary tract infections in women antimicrobial and nonantimicrobial strategies. Infect Dis Clin North Am. n. 28(1) p.135-47, 2014. https://doi.org/10.1016/j.idc.2013.10.001.

HOOTON, T. M. Uncomplicated urinary tract infection. N Engl. J Med, n. 366 (11), p.1028-37, 2012. https://doi.org/10.1056/NEJMcp1104429

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatísticas Sociais. 2017.

IPE, D. S. et al. Asymptomatic bacteriuria: prevalence rates of causal microorganisms, etiology of infection in different patient populations, and recent advances in molecular detection. FEMS Microbiol Lett. n. 346 (1), p. 1-10, 2013. https://doi.org/10.1111/1574-6968.12204.

KUCHEMANN, A. B. Envelhecimento populacional cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Brasília: Revista Sociedade e Estado, v27, p165-168, 2012.

MELO, L. S. et al. Infecção do trato urinário: uma coorte de idosos com incontinência urinária. Revista Brasileira Enfermagem. n. (4), p. 838-44, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0141.

MELLO, A. C; ENGSTROM, E. M; ALVES, L. C; Fatores sociodemográficos e de saúde associados à fragilidade em idosos: uma revisão sistemática de literatura. Cad. Saúde Pública vol.30 n 6, Rio de Janeiro: 2014.

MIRANDA, G. M. D.; MENDES, A. C. G; SILVA, A. L. A. Envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Rio de Janeiro: Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 507-519, 2016.

OLIVEIRA, F A. Características de virulência e susceptibilidade a antimicrobianos em estirpes de Escherichia coli uropatogênica. 2011. 76 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

Programa de Gerenciamento de Casos. Unimed. Cascavel. 2017. https://www.unimed.coop.br/web/medicina-preventiva-unimed-cascavel/pgc-gerenciamento-de-casos.

ROCHA, et al., A visita domiciliar no contexto da saúde: uma revisão de literatura. Psicologia, Saúde & Doenças, v. 18 (1), p.170-185, 2017.

RODRIGUES, L. L. S. et al. Alta frequência de infecção no trato urinário em idosos asilados em Santarém, Pará. Em foco, v. 11, n. 21, 2014.

RORIZ-FILHO, J. S. et al. Infecção do trato urinário. Medicina, Ribeirão Preto. Online, v. 43, n. 2, p. 118-125, 2010.

SEPÚLVEDA, L. et al. Infecções Urinárias Associadas a Cateter numa Unidade de Queimados: Estudo Epidemiológico. ACTA Urológica Portuguesa, v. 34, n.1-2, p. 33-39. 2017.

SMELTZER, S. C. BARE, B. G. Tratado de Enfermagem Médico Cirúrgica. 13º ed. Rio de janeiro: Guanabara Koogan, 2015.

Publicado
2020-09-02
Como Citar
da Silva, G., Bald, J., Bonetti, A., & da Silva, C. (2020). PREVALÊNCIA DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO EM IDOSOS ASSISTIDOS POR UM PROGRAMA DE MEDICINA PREVENTIVA EM CASCAVEL/PR. FAG JOURNAL OF HEALTH (FJH), 2(3), 352-356. https://doi.org/10.35984/fjh.v2i3.234
Seção
Artigos Originais